sexta-feira, 1 de maio de 2015

LITERATURA AFRO-BRASILEIRA

LITERATURA AFRO-BRASILEIRA

Expressa uma visão de mundo específica dos afro-brasileiros.

Revalorização da herança cultural africana através da escrita literária.

Enquanto movimento de afirmação da identidade negra  a literatura infanto juvenil não segue uma trajetória.
Há produções individuais e poucos escritores voltados para a tessitura de protagonistas negros.

Até os anos 80
Ideais racistas e inferiorizantes. Os protagonistas das histórias exercem papéis de passividade.

Joel Rufino dos Santos
Heloísa Pires Lima
Geny Guimarães
Júlio Emílio Braz – Lenda da África
Inaldete Pinheiro Andrade
Aroldo Machado
Petrovich & Machado
Rogério Andrade Barbosa
Mia Couto – Terra sonâmbula

Obras recentes (Anos 90 até época atual)
Escritores cujas produções há personagens e protagonistas negros e prevalece o espaço sendo africano e americano. São inovadores em face dos personagens os quais rompem com ideários racistas e inferiorizantes.

Autores que publicaram narrativas com personagens protagonistas negros.

Ana Maria Machado -  Menina bonita do laço de fita;
Ziraldo – O menino marron
Lúcia Pimentel Góes
Jonas Ribeiro
Mirna Pinsky
Ganymédes José
Luís Galdino
Giselda Laporta Nicoelis
Carla Caruso
Georgina Martins
Tatiana Belinky

Obras que implementam a lei federal 10.639/03

Tanto, tanto – Espaço EUA (Cotidiano familiar)
Histórias da preta – identidade negra, auto estima, cosmovisão afriacana.
A cor da ternura –  identidade negra, relação familiar, auto estima (espaço Brasil zona rural
Fica comigo – relação familiar entre mãe e filho. Espaço indefinido.
As tranças de Bintou – identidade negra / auto estima/ relação familiar/ espaço África.


Todos esses livros exercem várias faces dos protagonitas negros e  vivenciam crises existenciais .

Nenhum comentário:

Postar um comentário