terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Escritores aniversariantes mês de fevereiro

LEDO IVO (18/02/1924 [ Maceió] - 23/12/2012 [Sevilha, Espanha])

Membro da Academia Brasileira de Letras .


POESIAS


As imaginações. Rio de Janeiro: Pongetti, 1944;

Ode e elegia. Rio de Janeiro: Pongetti, 1945;

Acontecimento do soneto. Barcelona: O Livro Inconsútil, 1948;

Ode ao crepúsculo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1948;

Cântico. Ilustrações de Emeric Marcier. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1949;

Linguagem: (1949-19041). Rio de Janeiro, J. Olympio, 1951;

Ode equatorial. Com xilogravuras de Anísio Medeiros. Niterói: Hipocampo, 1951;

Acontecimento do soneto. Incluindo Ode à noite. Introdução de Campos de Figueiredo. 2. ed. Rio de Janeiro: Orfeu, 1951;

Um brasileiro em Paris e O rei da Europa. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1955;

Magias. Rio de Janeiro: Agir, 1960;

Uma lira dos vinte anos (contendo: As imaginações, Ode e elegia, Acontecimento do soneto, Ode ao crepúsculo, A jaula e Ode à noite). Rio de Janeiro: Liv. São José, 1962;

Estação central. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1964;

Rio, a cidade e os dias: crônicas e histórias. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1965;

Finisterra. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1972;

O sinal semafórico (contendo: de As imaginações à Estação central). Rio de Janeiro: J. Olympio, 1974;

O soldado raso. Recife: Edições Pirata, 1980;

A noite misteriosa. Rio de Janeiro: Record, 1982;

Calabar. Rio de Janeiro: Record, 1985;

Mar Oceano. Rio de Janeiro: Record, 1987;

Crepúsculo civil. Rio de Janeiro: Topbooks, 1990;

Curral de peixe. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995;

Noturno romano. Com gravuras de João Athanasio. Teresópolis: Impressões do Brasil, 1997;

O Rumor da noite. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2000;

Plenilúnio. Rio de Janeiro: Topbooks, 2004;

Réquiem, Rio de Janeiro: A Contracapa, 2008.

Poesia Completa - 1940-2004. Rio de Janeiro: Topbooks, 2004;

Réquiem. Com pinturas de Gonçalo Ivo e desenho de Gianguido Bonfanti. Rio de Janeiro: editora Contra Capa, 2008.     ANTOLOGIA   Antologia Poética. Rio de Janeiro: Ed. Leitura, 1965.

O Flautim. Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1966.

50 Poemas Escolhidos pelo Autor. Rio de Janeiro: MEC, 1966.

Central Poética. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1976.

Os Melhores Poemas de Lêdo Ivo. São Paulo: Ed. Global, 1983. (2.a edição, 1990).

10 Contos Escolhidos. Brasília: Ed. Horizonte, 1986.

Cem Sonetos de Amor. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1987.

Antologia Poética. Organização de Walmir Ayala; introdução de Antonio Carlos Vilaça. Rio de Janeiro: Ediouro, 1991.

Os Melhores Contos de Lêdo Ivo. São Paulo: Global Editora, 1995.

Um Domingo Perdido (contos). São Paulo: Global Editora, 1988.

Poesia Viva. Recife: Editora Guararapes, 2000.

Melhores Crônicas de Lêdo Ivo. Prefácio e notas de Gilberto Mendonça Teles. São Paulo: Global Editora, 2004.

50 Poemas Escolhidos pelo Autor. Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2004.

Cem Poemas de Amor. São Paulo: Escrituras Editora, 2005.

O Vento do mar. Rio de Janeiro: Contracapa/ABL, 2010.


ROMANCE

As Alianças (Prêmio da Fundação Graça Aranha). Rio de Janeiro: Agir, 1947; 2.a ed., Rio, Editora Record, 1982; 3.a ed., Coleção Aché dos Imortais da Literatura Brasileira. São Paulo: Editora Parma, 1991; 4ª edição, Belo Horizonte: Editora Leitura, 2007.


O Caminho sem aventura. São Paulo: Instituto Progresso Editorial, 1948; 2.a ed. revista (com xilogravuras de Newton Cavalcanti), Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1958; 3.a ed., Rio de Janeiro: Editora Record, 1983.

O Sobrinho do general. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964; 2.a ed., Editora Record, 1981.

Ninho de cobras (V Prêmio Walmap). Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1973; 2.a ed., Editora Record, 1980; 3.a ed. Editora Topbooks, 1997; 4ª ed. Maceió: Editora Catavento.

A morte do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Record, 1984; 2.a ed., São Paulo: Círculo do Livro, 1990; 3ª Edição, Belo Horizonte: Editora Leitura, 2007.


CONTO

Use a passagem subterrânea. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1961;

O Flautim. Rio de Janeiro: Bloch, 1966;

10 [dez] contos escolhidos. Brasília: Horizonte, 1986;

Os Melhores contos de Lêdo Ivo. São Paulo: Global, 1995;

Um domingo perdido. São Paulo: Global, 1998.


CRÔNICA

A Cidade e os dias. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1957;

O Navio adormecido no bosque. São Paulo: Duas Cidades, 1971;

As Melhores crônicas de Lêdo Ivo. Prefácio e notas de Gilberto Mendonça Teles. São Paulo: Global, 2004.


ENSAIO
Lição de Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1951;

O preto no branco. Exegese de um poema de Manuel Bandeira. Rio de Janeiro: Liv. São José, 1955;

Raimundo Correia: poesia (apresentação, seleção e notas). Rio de Janeiro: Agir, 1958;

Paraísos de papel. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1961;

Ladrão de flor. Capa de Ziraldo Rio de Janeiro: Elos, 1963;

O Universo poético de Raul Pompéia. Em apêndice: Canções sem metro, e Textos esparsos [de Raul Pompéia]. Rio de Janeiro: Liv. São José, 1963;

Poesia observada. (Ensaios sobre a criação poética, contendo: Lição de Mário de Andrade, O preto no branco, Paraísos de papel e as seções inéditas Emblemas e Convivências). Rio de Janeiro: Orfeu, 1967;

Modernismo e modernidade. Nota de Franklin de Oliveira. Rio de Janeiro: Liv. São José, 1972;

Teoria e celebração. São Paulo: Duas Cidades, 1976;

Alagoas. Rio de Janeiro: Bloch, 1976;

A Ética da aventura. Rio de Janeiro: F. Alves, 1982;

A República da desilusão. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995;

O Ajudante de mentiroso. Rio de Janeiro:Educam/ABL, 2009.

João do Rio. Rio de Janeiro: ABL, 2009.

AUTOBIOGRAFIA

Confissões de um poeta. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1979;

 O Aluno relapso. São Paulo: Massao Ohno, 1991.


LITERATURA INFANTIL

O Canário azul. São Paulo: Scipione, 1990;

O Menino da noite. São Paulo: Companhia. Editora Nacional, 1995;

O Rato da sacristia. São Paulo: Global, 2000;

A História da Tartaruga. São Paulo: Global, 2009.


EDIÇÃO CONJUNTA

O Navio Adormecido no Bosque (reunindo A Cidade e os Dias e Ladrão de Flor). São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1971.

TRADUÇÕES

AUSTEN, Jane. A Abadia de Northanger. Rio de Janeiro: Editora Pan-Americana, 1944. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1982.

MAUPASSANT, Guy de. Nosso Coração. São Paulo: Livraria Martins, 1953.

RIMBAUD, Jean-Artur. Uma Temporada no Inferno (Une Saison en enfer) e Iluminações (Illuminations) (tradução, introdução e notas). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 2004.

DOSTOIEVSKI, Fiodor M. O Adolescente. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1960.

GOES, Albrecht. O Holocausto. Rio de Janeiro: Agir, 1960.


 OBRAS QUE FALAM SOBRE LEDO IVO

RENNÓ, Elizabeth. A Aventura Poética de Lêdo Ivo. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1989. (Coleção Afrânio Peixoto, vol. 11.).

SANT’ANA, Moacir Medeiros de. Lêdo Ivo de Corpo Inteiro. Maceió: Secretaria de Cultura do Estado de Alagoas, 1995.

NUNES, Cassiano. Multiplicidade de Lêdo Ivo. Penedo: AL. Fundação Casa de Penedo, 1995.

ALMEIDA, Leda. Labirinto de Águas. Imagens literárias e biográficas de Lêdo Ivo. Maceió: Edições Catavento, 2002.

FRIAS, Rubens Eduardo Ferreira. A Raposa sem as Uvas. Uma leitura de Ninho de cobras de Lêdo Ivo. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2004. (Coleção Austregésilo de Athayde, vol. 17.)

BRASIL, Assis. A Trajetória Poética de Lêdo Ivo. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006.

FERNANDES, Ronaldo Costa. Considerações sobre um poeta: Lêdo Ivo. Rio de Janeiro: separata da Revista Brasileira da Academia Brasileira de Letras, 2008.

MICCOLIS, Leila. Passagem de Calabar. Rio de Janeiro: Topbooks, 2009.


CONDECORAÇÕES

Ordem do Mérito dos Palmares, no grau de Grã-Cruz.

Ordem do Mérito Militar, no grau de Oficial.

Ordem do Rio Branco, no grau de Comendador.

Medalha Manuel Bandeira.

Cidadão honorário de Penedo, Alagoas.

Grande Benemérito do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro.

Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Alagoas.

Pertence ao PEN Clube Internacional, sediado em Paris.


FRASES DE LEDO IVO

"Não confie a ninguém o seu segredo. A verdade não pode ser dita".

"A criação poética não é,  portanto,  um problema  só de sensibilidade. É um problema de cultura. Somente o vasto conhecimento da poesia e da literatura é que permite ao poeta exprimir-se."

"A função do poeta na sociedade é escrever poemas. A notoriedade é secundária".

"A função do poeta é, também, celebrar o mundo em que vive."


Fonte: wikipédia
Mais informações :  Academia Brasileira de Letras 
http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=150

                         ****


PAULO MENDES CAMPOS
(28/02/1922[Belo Horizonte - 01/07/1991[Rio de Janeiro])

Integrante da geração mineira,  a qual  pertenceu Fernando Sabino, Otto Lara Resende, Hélio Pelegrino e Murilo Rubião.

Em 1945 veio ao Rio de Janeiro para conhecer Pablo Neruda e passou a trabalhar como jornalista.

Chegou a ser diretor da Divisão de Obras Raras da Biblioteca Nacional.

Tradutor de poesia, prosa inglesa e francesa.

OBRAS

1951 - A Palavra escrita (poesia) ;
1952 - Forma e expressão do soneto (antologia)
1956 - Testamento do Brasil (poesia);
1958 - O Domingo azul do mar (poesias);
1960 - O Cego de Ipanema (Crônicas);
1962 - Homenzinho na ventania (Crônicas);
1965 - O colunista do morro;
1966 - Testamento do brasil e Domingo azul do mar;
1967-  Hora do recreio;
1969-  O Anjo bêbado;
1976 - Rir é o único jeito;
1984 - Trinca de copas;
            1999 - O amor acaba - crõnicas líricas e existenciais;
2000-  Cisne de feltro - crônicas autobiográficas;
           Alhos e bugalhos;
           Brasil brasileiro - crônicas do país, das cidades e do povo;
           Murais de Vinícius e outros perfis;
           O gol é necessário - crônicas esportivas;
           Artigo indefinido;
           De um caderno cinzento - apanhadas do chão;
2003 - Balé do pato e outras crônicas;
2004 - A volta ao mundo em 80 dias - tradução e adaptação do livro de Julio Verne;
2005 - Quatro histórias de ladrão.

     
  
Fonte:
Para gostar de ler - crônicas v. 5

www.releituras.com
wikipédia.com
 
     ****



CHARLES DICKENS (7/02/1812[Portsmouth] - 9/06/1870)

Foi o mais popular dos romancistas ingleses da era vitoriana (http://pt.wikipedia.org/wiki/Era_vitoriana).

Obras

Oliver Twist  - relata as aventuras e desventuras de um rapaz órfão. Romance que trata do fenômeno da delinquência provocada pelas condições precárias da sociedade inglesa da época.

David Copperfield -  seu romance mais popular;

Tempos difíceis;

O nosso amigo comum;

Seus últimos anos de vida foram ocupados com leituras públicas em voz alta em família ou em grupos.

Seus romances eram obras de crítica social. (comentários ferozes  a pobreza extrema e a sociedade exploradora do Império Britãnico.
    




Nenhum comentário:

Postar um comentário