domingo, 9 de dezembro de 2012

MANOEL DE BARROS

MANOEL DE BARROS  (09/12/1916  Cuiabá -   )

Pertence a geração de 45

Através da leitura da poesia em prosa de Arthur Rimbaud,  descobriu que podia misturar todos os sentidos.

É considerado um dos maiores poetas vivos do Brasil.

Características da poesia de Manoel de Barros:
Uso do vocabulário coloquial-rural;
Sintaxe que remete a oralidade;
Neologismos;
Conhecido como o Guimarães Rosa da poesia;
Define sua arte como vanguarda primitiva.

Obras
1937 - Poemas concebidos sem pecado (autobiográfico e influência de Mário de Andrade;
1942 - Face imóvel (A partir dessa publicação  sua poesia´passa a ter como pano de fundo o Pantanal.
1956 - Poesias;
1960 - Compêndio para uso dos pássaros;
1966 - Gramática expositiva do chão;
1974 - Matéria de poesia;
1980 - Arranjos para assobio;
1955 - Livro de Pré-coisas;
1989 - O guardador de águas (Prêmio Jabuti);
1990 - Gramática expositiva do chão - poesia quase toda;
1993 - Concerto a céu aberto para solos de aves;
1993 - O livro das ignorãças;
1996 - Livro sobre nada;
1998 - Retrato do artista quando coisa;
2000 - Ensaios fotográficos;
2000 - Exercícios de ser criança;
2000 - Encantador de palavras;
2001 - O fazedor de amanhecer;
2001 - Tratado geral das grandezas do ínfimo;
2001 - Águas;
2003 - Para encontrar o azul eu uso pássaros;

Nenhum comentário:

Postar um comentário